autocar

Peugeot 207 2010

O Peugeot 207 Passioné um bom carro para família com filhos pequenos e, no mercado de usados, tem ótimo custo benefício. É um dos modelos mais baratos que temos com câmbio automático, automático de verdade, com conversor de torque, não confunda com os automatizados, portanto pode ser a opção de entrada para os que enfrentam trânsito pesado no dia a dia. Faça um teste drive do Peugeot 207 para ter certeza do bom funcionamento do câmbio e assim que fechar negócio, troque o óleo do cambio, para sua garantia.

Se você tem filhos maiores e precisa de mais espaço, pra ficar na mesma marca, tem o 307 sedan, um pouco mais caro mas melhor em todos os sentidos.

O seguro do Peugeot 207  é um pouco acima da média. Cuidando bem e realizando as manutenções em dia, você não terá dificuldades de vendê-lo no particular. A manutenção do Peugeot 207 é conhecida dos mecânicos, e o valor das peças estão dentro da média da categoria.A desvalorização é acima da média, o que não desabona o modelo, já que carro não é investimento. Evite os lojistas, eles sabem dos problemas de câmbio e vão usar desse artifício para jogar o preço lá pra baixo. Tem muita gente procurando automáticos acessíveis, acredito que não seja difícil de revender.

Veja o preço deste carro pela Tabela Fipe.

E se precisar de ajuda, entre em contato comigo por este link aqui.

Marca: Peugeot
Modelo: 207 Passion
Versão: XS Automatic
Ano: 2010
Capacidade cúbica: 1587 cm3
Cabeçote: duplo comando com 16 válvulas
Potência: 110 cv (gas) a 113 cv (álc) a 5600 cv rpm
Torque: 14,2 kgfm (gas) a 15,5 kgfm (álc) a 4000 rpm
Relação peso/potência: 10,7 kg/cv (álc) a 10,42 kg/cv (gas)
Suspensão dianteira: McPherson
Suspensão traseira: independente, braço arrastado com estabilizador
Pneus: 185/60 R15
Freios dianteiros: disco ventilado com ABS
Freios traseiros: disco sólido com ABS
Câmbio: Automático 4 velocidades com opção de trocas sequenciais
Tanque: 50 litros
Porta malas: 420 litros
0 a 100 km/h: 14,2 s
Velocidade máxima: 185 km/h

Veja avaliação feita por Felipe Carvalho